Web 2.0

Muita coisa se lê pela “internet” e em revistas especializadas sobre este tema. Mas o que mais me surpreende é justamente isso: durante os poucos meses que se tem conhecimento sobre este recurso, já se consegue um turbilhão de assuntos relacionados e pessoas altamente capacitadas a aplicá-lo ou simplesmente a promover treinamentos ou tutoriais.

Poderíamos começar a conceituar WEB 2.0 como um avanço da WEB 1.0 simplismente. Mas entendo que vá muito além disso. Estamos diante de uma revolução por de tráz dos bastidores e uma outra revolução pra quem utiliza a internet. O desenvolvedor passa de gerador da informação na WEB 1.0 para o administrador do sistema na 2.0 e o usuário passa de mero expectador da WEB 1.0 ao gerador da informação na WEB 2.0. É quase uma inversão de papéis.

Já existem diversos sites utilizando este conceito ou recursos destinados a este fim mas ainda com conteúdo estático ou até dinâmico, mas o usuário só assiste.

O que queremos discutir são os sistemas que antes só existiam se fosse instalados no computador e depois utilizados pelo usuário e agora eles estão se transportando para WEB. O usuário apenas acessa e usa. Nada de instalação ou configuração. Nada de pagar altos valores. Este é o conceito de WEB 2.0.

Gerenciamento

No modelo tradicional, quem gerencia todos os aspectos do software é a equipe interna de TI, que se preocupa com o gerenciamento de servidores, infra-estrutura e do software propriamente dito, incluindo instalação, atualização e manutenção do software. Ja no SaaS, a única responsabilidade da equipe interna de TI é a configuração do software, ficando o gerenciamento de servidores, de infra-estrutura e até mesmo a instalação e manutenção do software por conta do provedor de serviços, que responde pela qualidade do serviço prestado.

As vantagens são claras para a empresas que utilizam SaaS. A mais imediata é a redução de custo, uma vez que boa parte da gestão de infra-estrutura de TI é terceirizada com o provedor de TI. Outra vantagem, nem sempre considerada é a liberdade de testar o software antes de adquirir, uma vez que a maioria dos provedores oferece esta opção a preços tão acessíveis de implementação, que é possível fazer o teste do software por um ou dois meses antes de decidir usá-lo efetivamente.

A Tecnologia

Após a conceituação do o que é e como fazer, partiu-se para aprimoramento das técnicas e recursos para colocar tudo isso em funcionamento. Começaram-se a desenvolver softwares que são usados pela Internet e vendidos não em pacotes mas como serviços, pagos mensalmente como uma conta de água. Além disso, mudou-se a forma de fazer softwares. Para que tudo funcionasse bem na Internet, foi necessário a união de várias tecnologias (como AJAX) que tornassem a experiência do usuário mais rica, com interfaces rápidas e muito fáceis de usar.

Definiu-se então que quanto mais simples e modular a programação, melhor. Desta forma, diversos programadores distantes entre si mas aproximados pela tecnologia, podem construir juntos diferentes sistemas para diferentes propósitos.

Mais do que um recurso, a Web 2.0 é um conceito, uma forma diferente de ver a internet e de utilizar o que já se tem. Todos os recursos que são usados para colocar os sistemas e sites no ar dentro do conceito de Web 2.0 já são conhecidos mas agora estão trabalhando junto e aprimorados. Os desenvolvedores podem e devem se aperfeiçoar buscando estes conhecimentos e recursos que juntos proporcionarão a nós, usuários, sistemas cada vez mais poderosos, dinâmicos e acima de tudo, mais baratos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *